Publicidade

Aguinaldo Silva abre o jogo sobre possível retorno à Globo: ‘Não quebraria essa regra’

Escritor e dramaturgo Aguinaldo Silva abre o jogo sobre rumores e revela se voltaria para a Globo

Aguinaldo Silva
Aguinaldo Silva – Reprodução/ Globo

O escritor e dramaturgo Aguinaldo Silva quebrou o silêncio e revelou se tem possibilidade de retornar para a Globo. Fora da emissora desde 2020, ele também comentou os rumores envolvendo uma sinopse recusada.

Publicidade

“Essa história de que a Globo tinha uma novela minha já escrita no seu acervo e optou, no fim do ano passado, por arquivá-la, não é verdade. O que aconteceu é que, por intermédio de um agente, a sinopse de uma nova trama chegou à direção da Globo. Essa questão ainda está no ar, nada foi decidido e nem me comunicado”, afirmou em entrevista à revista Veja.

Sobre um possível retorno à plim-plim, Aguinaldo disse que apenas em “horário nobre”. “Depois de tudo que aconteceu, eu voltaria a trabalhar na emissora, sou um profissional. Mas, claro, teria que avaliar as condições. Na minha biografia, sou um autor que só escreveu novelas para o horário nobre. Ao todo, são 16. Não quebraria essa regra”, declarou.

“Agora, além dessa novela, tenho mais três com as sinopses prontas. Uma delas, inclusive, em negociação com uma TV de Portugal. Enquanto tiver vontade e resistência, vou continuar fazendo novela”, completou o veterano.

Ranço?

Aguinaldo também aproveitou para comentar sobre as novelas atuais. “Muitos autores estão preocupados demais em renovar o gênero, mas ele não é renovável. Novela é um melodrama, é o drama exacerbado, a paixão desvairada. Não adianta: os temas centrais de toda novela são as disputas familiares pelo poder e um grande amor entre duas pessoas que sofrem durante 180 capítulos até tudo dar certo. Game of Thrones, nada mais é do que um melodrama muito bem-feito”, opinou.

Publicidade

Quando vejo as tramas que estão no ar, com exceção de algumas do horário das seis, tenho um certo ranço, vejo que os autores estão querendo ser modernos e acabam perdendo a essência do gênero. Para mim, só três pessoas fazem novelas mesmo hoje. São Glória Perez, João Emanuel Carneiro e Walcyr Carrasco”, finalizou o dramaturgo.

 

 

Publicidade